(11) 4815-2569
(11) 99543-1891

Musculação aumenta qualidade de vida na terceira idade


Além de aumentar a massa muscular e óssea, a atividade protege o coração, estabiliza a pressão arterial traz mais força e flexibilidade, entre outros benefícios para a saúde Com o envelhecimento da população mundial, a preocupação com o bem estar das pessoas que estão na terceira idade também aumenta.

Estimativas apontam que em 2020 o Brasil terá 30 milhões de pessoas com 60 anos ou mais. E essa massa populacional quer não só chegar até lá, mas, também ultrapassar essa faixa de idade tendo uma vida completamente ativa e saudável, física e emocionalmente. O que muita gente não sabe é que a musculação tem um papel extremamente importante, senão fundamental, na qualidade de vida dessas pessoas. Portanto, a velha teoria de que essa atividade física deve ser feita somente por jovens e adultos caiu por terra há um bom tempo.

A fisioterapeuta dra. Andrea Candeau, diretora da AC Company, centro especializado na saúde, doença e envelhecimento, explica que a musculação é a única atividade cientificamente comprovada que aumenta, além da massa muscular, a massa óssea, pois tem tração e peso. Além disso, ela protege o coração, estabiliza a pressão arterial, promove mais flexibilidade, força e resistência. E serve como base para qualquer outra atividade que o idoso venha a desenvolver.

Segundo Andrea Candeau, nosso músculo é composto por fibras brancas e vermelhas. Estas últimas são responsáveis pela força, mas vão diminuindo com o passar do tempo.

As brancas vão ficando em evidência, e esse processo causa fraqueza muscular, dificuldade de andar, facilita quedas e consome mais energia. “A musculação vai trabalhar essas fibras vermelhas, fortalecendo a musculatura e promovendo uma melhora na qualidade de vida da pessoa”, diz a fisioterapeuta. “O fato de levantar peso, assusta algumas pessoas, principalmente o paciente idoso que tem diversas patologias. No entanto, essa é uma atividade anaeróbica, seus movimentos são antigravitacionais, não são impactantes e podem ser praticados, inclusive, por pessoas que sofrem com problemas do coração, joelhos e quadris, até mesmo com uso de prótese, entre outros”, ressalta.

Ela lembra que essa atividade também é muito importante para quem sofre de diabetes, doença bastante freqüente na população idosa. Ela estimula a produção de insulina, considerado o hormônio mais importante do corpo humano, mas que no diabético é produzido em menor escala. Em alguns casos há até a falta total de insulina.

Cuidados O exercício físico é fundamental, o idoso precisa se mexer, se movimentar, mesmo que tenha diversas patologias. E pode, inclusive, aliar a Musculação a outras atividades físicas, como Pilates e Treinamento Funcional. “Considero esse um casamento ideal”, diz Andrea Candeu. De acordo com ela, o Pilates trabalha corpo e mente e também proporciona maior flexibilidade, resistência e tonificação muscular. O treinamento funcional trabalha equilíbrio, força, flexibilidade e coordenação motora, porém, de uma forma mais específica, baseada nas atividades e movimentos que a pessoa realiza no seu dia a dia. Assim, facilita a execução das tarefas de rotina, prevenindo, inclusive, lesões. Mas, é importante ressaltar: antes de iniciar qualquer atividade física, idosos, jovens, adultos e também crianças devem passar por avaliação médica, com realização de exames clínicos, para verificar seu real estado de saúde

. Os exercícios também devem ser feitos sempre com orientação e acompanhamento profissional. Por fim, qualquer tipo de exercício físico, seja qual for a modalidade escolhida, traz também diversos benefícios emocionais, entre eles: redução do estresse, melhora da auto-estima, da libido e mais independência. “Aqui na clínica temos exemplo de paciente que abandonou a cadeira de rodas, e de outros que voltaram a ter um convívio social, vida sexual ativa, e até namorar”, diz Andrea, emocionada. “Isso é muito gratificante.”